Drops de uma vida na Alemanha – parte 8 (A saga do voo de volta OU Entre elevadores, malas, documentos esquecidos, extintores de incêndio e a Astrid OU Senta que lá vem história)

“Mas, Paula, vc vai viajar sozinha com as três? Tem certeza?“.

Claaaaaaaaro! Não vai ser complicado. Todo mundo faz tudo com os filhos a tiracolo na Alemanha, se eles conseguem eu também consigo. São só algumas horinhas, não pode ser tão traumático.

SPOILER ALERT: Big mistake.

Big, big, biiiiiiiiiggggggg mistake.

Começou que eu estava levando todas as malas do mundo, além das três quianças, ponto deveras importante, até então desconsiderado no planejamento.

Três carrinhos lotados, malas de mão empurradas, filhas executando malabarismos, gritando e fazendo manha por motivos altamente relevantes, tipo um canudo.

Paciência indo para a Lua desde a entrada no carro. Pai e irmã heróis tentando acalmar as meninas e colocar panos quentes. Primeiro piti já no estacionamento do aeroporto, acabando com a tentativa de “Comunicação não Violenta” apregoada por uma amiga – também mãe de três, só para evidenciar ainda mais o meu fracasso.

Finalmente consegui entrar no elevador, já suando, após travar uma breve batalha para passar o Carrinho de Pisa pelo friso e pela porta ao mesmo tempo  (coordenação não é item de série, reconheço, mas, em minha defesa, estava realmente pesado). Elevador fechou a porta e… começou a apitar.

Repeti a operação umas quatro vezes, sem nenhum sucesso. Na última, travou tudo, fiquei presa por alguns segundos e disparou o alarme. Típico sinal divino de que seria um loooooongoooo dia. Deveria ter escutado, eu sei.  Mas sou brasileira, não desisto nunca, desencaixei tudo e parti para a próxima fila.

Balcão de check in, mocinha sorridente e simpática:

– Documentos, passaportes, autorizações, localizador e passagens de volta OU CARTÕES DE RESIDÊNCIA, por favor?

E foi aí que a porca torceu o rabo.

Eu, a virginiana mór das galáxias, a fazedora oficial de listas e malas, a intolerante com desatenção alheia, a jogadora de merda na cara (e no ventilador) de terceiros até o fim da eternidade, euzinha, eu mesma, Ana Paula da Silva Sauro, deixei todos, todos eles (assim como os cartões de saúde) bem guardadinhos e protegidos…. no cofre de casa.

Sim, deu ruim.

Toca o tio sair correndo para pegar as carteirinhas na Morada dos Ramos. Toca o motorista chispando na hora do rush para atravessar a cidade. Toca pai e irmã heróis fornecerem doses cavalares de açúcar para nos distrair. Toca correr para o banheiro com chocolate quente all over das camisetas brancas das meninas.

Tudo que conseguia pensar era no tamanho do chilique que teria dado se o esquecimento tivesse sido do maridón.  Quase salivei imaginando a bronca homérica. Mas não, ninguém para culpar, a mula fui eu (o que, confesso, dá uma raiva ainda maior).

O tempo, que estava tranquilo pela primeira vez na história da humanidade, começou a apertar. Pessoas ligando e mandando mensagens “e aí?”, moça do check in dando aquela aterrorizada básica “Deveria ter chamado um motoboy, vou ter que tirar suas malas do voo”. Sádica a tia.

Quarenta minutos antes da decolagem, chororô de despedida na boca do embarque e nada dos documentos.

Mas eis que aparece quem? A equipe do Chegadas e Partidas do GNT (sempre, sempre, sempre choro com esse programa, fecha parênteses) de mala, cuia e Astrid, para nos entrevistar.

Porque, claro, se é para passar perrengue, que seja em rede nacional, né?

Meninas falando pelos cotovelos, Cecília querendo contar a vida, sem deixar a coitada da produtora fazer as perguntas, eu chorando e abraçando minha irmã. Um show de elegância e finesse inerentes à Família Buscapé.

Nesse meio tempo, as carteirinhas finalmente chegaram e eu saí correndo durante a matéria, sem dar satisfação. Diretora gritando atrás de mim que precisava da autorização de imagem, os RGs das meninas caindo pelo caminho, a moça da filmagem me ajudando a recolher. Aquele momento clássico em que tudo que se pode fazer é contar com o bom senso da galera da edição (Deus, nunca te pedi nada. Obrigada. Amém).

Fila do Raio-X.  Viúva Porcina aqui apitando loucamente, Pilar chorando porque eu estava sendo presa e ela não queria crescer sem mamãe (quase nada dramática), Dora correndo DO LADO DE DENTRO do balcão, subindo na cadeira da funcionária para ver “a televisão”, garota da minha frente sendo presa em flagrante, com drogas na mala (quem, quem, quem faz isso??).

Mas girl power! Yes, we can! Vamos viajar sozinhas! Olha que ótima ideia!

Meia hora para a decolagem e nós ainda na Polícia Federal.

Como sorte é tudo nessa vida, pegamos um atendente em treinamento e a responsável mais mal humorada do universo, que nos seguraram por exatos VINTE E QUATRO MINUTOS, até lerem cada vírgula de cada autorização. Marcados no relógio. Sem exagero nenhum. Foi mais rápido parir essas crianças do que liberá-las ali, certeza.

Enquanto isso, Dodoca vidaloka resolveu matar o tempo fazendo o que? Brincando com o extintor de incêndio, é claro.

Segurança limitou-se a me olhar with lasers e dizer: “Senhora, controle sua filha, por favor!”.

Opa! Deixa comigo! Agora que o senhor comentou, entendi meu papel. Total controle da situação 👌🏻

Eis que o atendente da companhia áerea veio esbaforido nos encontrar, anunciando: “Sinto muito, não dá mais tempo, tiraram suas malas do voo”.

Pilar começou a chorar desesperada, com as mãozinhas no rosto, repetindo em looping “E agora?? E agora?? Como vamos fazer, mamãe?? Nunca mais vamos ver o papai?” (dramática, lembram?).

Cena foi tão inesperada (Fernanda Montenegro, me liga! Tenho umas dicas para vc! 😉), que o moço se comoveu e passou um rádio “Tá bom, vamos tentar! Mas corram!”.

Saímos Forest Gump style, sem nem olhar para trás.  Dora ficou gritando e chorando que perdeu os sapatos em algum ponto entre a invasão do raio-x e o extintor de incêndio. Mocinho (um santo!) voltou afobado, catou a criança no colo, todos os pertences dela (inclusive a boneca, que também perdeu o sapato) para irmos mais rápido, eu agradecendo de joelhos (mas ainda correndo), até que ela solta: “Tio, fiz cocô. E tá fedorento”.

Choque.

Aí eu fiz o que qualquer mãe faria no meu lugar: fingi demência, surdez, inapitidão social e continuei correndo como se não houvesse amanhã, com meus fones de ouvido imaginários ligados.

Tripulação nos esperando na porta com cara de julgamento, cartões emitidos manualmente porque sistema já estava fechado, passageiros nos olhando torto.

Pessoas já tinham ocupado nossos lugares e tiveram que mudar. Eu ainda tive que trocar uma fralda DA-QUE-LAS (achei que pedir para o mocinho seria too much 😂) antes de autorizarem a decolagem.

E pensam que acabou? Não, não! Poderia seguir aqui ad eternum, com a saga do voo em si, as meninas quebrando tudo, a comissária dizendo que era o último garfo do voo, para, por favor, não derrubarem dessa vez, a Pilar perguntando para o moço ao lado por que ele estava viajando sozinho, se não tinha amigos, nem família ou virando a exorcista e vomitando as tripas.  Mas acredito que vcs entenderam o espírito do caos, né?

Basta dizer que na hora do desembarque, todos os passageiros em volta (e tripulantes!) se despediram das meninas PELOS NOMES.  E que o mocinho que se dispôs a carregar as malas de mão para mim até a imigração, enquanto eu levava a Dora no colo, foi DERRUBADO pela Cecília na esteira rolante. Isso mesmo, na horizontal. Ele lá, coitado, de quatro na esteira, bagagens tombadas no chão e ela gritando: “Doeu! Doeu! Foi tudo culpa dele!! Ele estragou sua mala e nem pediu desculpas, mama!”.

Talvez eu tenha chorado, prefiro não lembrar.

Enfim, poderia estar matando, roubando, enganando, mas estou aqui, dividindo a humilhação pública com vcs e me preparando psicologicamente desde já para a volta em dezembro. A menos que uma boa alma se ofereça para a tentadora missão de nos acompanhar no traslado.

Alguém? Plis?

Gratifica-se bem.

Força, Paola.

#pareceumepisódiodoChavesmasinfelizmentenãoé

#jornalismoverdade

#maternidadereal

#premiadafeelings

#moradadosramosafilial

#dropsdeumavidanaalemanha

blogger-image-1314880471

Drops de uma vida na Alemanha – parte 7 (Meu pão, minhas regras)

Chegando para buscar as meninas na escola, Pilar vira e fala:

– Look, mama! Fulana is going to have a sister! (“Olha, mamãe! A Fulana vai ter uma irmã!“)

Eu, vendo que a mãe da menina NÃO estava grávida, olhei para a Pi with lasers e comecei a falar entredentes, muito rápido, em looping, em português mesmo:

– Não, não, não! Fica quieta! Fica quieta! Fica quieta, por favoooooooorrrr!!!

Mas não deu tempo. Enquanto a Pilar me olhava confusa, a Cecília jogou a última pá de cal na situação cagada, fazendo aquele gesto típico com as mãos para mostrar a barriga e falando:

– But she seems VERY pregnant! Look!! (“Mas ela parece MUITO grávida, olha!“)

😵😵😵😵😵😵😵😵

Tudo que consegui dizer foi: “I’m so, so, soooooooooo sorry” (“Um trilhão de desculpas“) e voltar palestrando para casa.

Falei de feminismo, de liberdade, de padrões sociais inatingíveis, dos vários tipos de beleza, discurso completo. Estava me achando um sucesso no empodeiramento das meninas.

Pois bem.

Mais tarde, no restaurante, o garçom trouxe o couvert e a Cecília choramingou:

– Maamaaaaaaa, o pão da Dodoca está mais gordinho do que o meu!!!

Antes que pudesse processar a reclamação, a Pilar já me atravessou, gritando:

– CE-CÍ-LI-AAAAAAAA!!! Não pode falar assim! Vc não tem nada a ver com o PESO DO PÃOZINHO! Cada um cuida do seu nariz e ele pode ser como quiser, viu?!” 🤦🏻‍♀️👌🏻

Acho que na próxima vez vou tentar em alemão.

Certeza que deve ser mais fácil 🙄

#usemcamisinha

#trêsmarias

#cabemtrêsvidasinteiras

#moradadosramosafilial

#dropsdeumavidanaalemanha

Quem nunca foi Juma Marruá por uma noite que atire a primeira pedra

Essa é mais uma história real de uma pessoa xis, aleatória, escolhida na multidão.  Vamos chamá-la novamente de Paola.

Paola morou 3 anos no interior, fez vários amigos queridos e voltava sempre, frequentava as festas da cidade, passava suas férias lá, etc.

Pois bem. 

Um belo dia, estava na festa do hotel, comendo, bebendo, música alta, todo mundo conversando, dando risadas, sem prestar a menor atenção no que o apresentador estava falando.

Eis que Paola ouviu seu nome.

A galera começou a bater palmas, ela com aquela cara de virgem no puteiro, sem entender nada, “quiquitáacontessenu” coisa e tal, até que a puxaram para o palco.

O locutor colocou uma faixa, entregou uma medalha (guardada até hoje, uma relíquia) e só então Paola entendeu que tinha sido eleita…. (como dizer isso sem morrer de vergonha própria? Quero dizer, alheia, da Paola, coitada, claro)…. MISS ESTÂNCIA da festa.

Até aí tudo bem, Paola estava constrangida, mas pronta para usar os quatro “S” do seu pai – surgir, saudar, sorrir e sumir. Porque seu pai ensina coisas desse tipo, realmente úteis na vida, em vez de apenas “escova os dentes antes de dormir”. Fecha parenteses.

Só que o cara me entregou o microfone (aqui desencanamos da Paola, porque está difícil contar a história em terceira pessoa. Mas vcs podem continuar o exercício, por favor 🙄) e explicou que eu tinha que gritar “SEGUUUUUUUUUUUUUUUUUURAAAAAAAAAA PEÃOOOOOOOOO” bem alto, longo e demorado.

Pensei em simular um desmaio, mas já estava ali, com a medalha, galera olhando e tals.

Meu sobrenome é FairPlay, lá fui eu tentar falar.

Sem o menor sucesso, CLA-RO.

Desafinei horrores.

Ficou parecendo quando a pessoa entra direto no chuveiro gelado e tenta respirar, sabem? Tipo “PEÃUÃUAUAUAUAUAUAUAUAUAUAUAUAUAUAOOOOOOOOOOOOO”.

Péssimo.

Devolvi o microfone roxa, procurando o botão de ejetar, todo mundo gargalhando e pensei “Bom, pelo menos acabou”.

Só que a vida é uma caixinha de surpresas, não é mesmo?

Uma das funções adicionais da Miss Estância, inventada ali na hora, era abrir os trabalhos da noite. Com um BERRANTE (sempre tem uma portinha no fundo do poço, minha gente. Impressionante. Dica mais valiosa do que os quatro “S” do meu pai, anotem aí).

A galera toda em silêncio esperando.  Peguei o tal berrante e pensei “Beleza, vi uns capítulos de Pantanal, não deve ter segredo”.

Olhei para a plateia, puxei o ar, fechei os olhos, assoprei com toda a força dos meus combalidos pulmões e o óbvio aconteceu: em vez do “AOWWWWWWWWWWWWWWWWWWWW” esperado, longo, bonito, ele fez FUÉÉÉN.

Só.

Três segundos de silêncio, pessoal em choque com o #epicfail e eu escuto, do palco, a gargalhada da minha irmã 👌🏻👌🏻👌🏻👌🏻👌🏻👌🏻

(Sisterhood? Um beijo, me liga!).

Foi assim que se encerrou minha (não tão promissora) carreira meteórica como Miss Estância.

Praticamente um milagre eu conseguir me levantar da cama e seguir vivendo todos os dias.

Valeu, universo.

FIM

#forçapaola

#jumamarruáfeelings

#premiadafeelings

#FUÉNFUÉNFUÉN (literalmente)

Juma

Seguuuuuuuuuuuuuuuuuuraaaaaaaaaaaaa peãooooooooooooo!“(MARRUÁ, Juma).

Drops de uma vida na Alemanha – parte 6 (O dia em que precisei de um botão de ejetar)

Pilar na casa do vizinho novo, inspecionando quarto por quarto:

– Who sleeps here? And here? And here? (“Quem dorme aqui? E aqui? E aqui?“)

Ele respondendo com toda a paciência do mundo, até que chegou à suíte principal e ele:

– It’s fulana’s room (“É o quarto da minha namorada“)

Aí ela percebeu que tinham acabado os quartos da casa e perguntou:

– But where will YOU sleep? (“Mas onde VOCÊ vai dormir???“)

E ele:

– Here with her. If it’s okay for you 🙄 (“Aqui com ela, se tudo bem por vc 🙄”)

Corta a cena, dia seguinte, eu na sala do tal vizinho, sem ter acompanhado nada desse diálogo, totalmente vendida na história, eis que entra a Pi correndo:

– Mamy, mamy! He is going to sleep with her, that’s okay, right? (“Mamãe, mamãe! Eles vão dormir juntos, tudo bem, né?“)

🙀😳😂

Fiquei 5 segundos muda. Tudo que consegui pensar foi: “ela falou em português? Deus, permita que tenha sido em português!”.

Até que todas as pessoas da sala começaram a gargalhar e eu entendi que não, uma benção👌🏻🙈😂

Usem camisinha, pessoal.

Juro, bem mais importante do que filtro solar ou blusas com botões, repensei minhas prioridades.

Filhos são selvagens. Quando menos se espera eles entram em uma sala qualquer, perguntando na frente de todo mundo se os vizinhos podem transar 😬👌🏻🤦🏻‍♀️

FIM.

Coiote

Drops de uma vida na Alemanha – parte 5 (Vingança é um prato que se come frio)

Hoje a Russa me chamou, apontou para o armário da Dora e disse: “George!”.

Nossos diálogos costumam ser assim mesmo, com muitas mímicas e apenas palavras-chave, mas confesso que dessa vez fiquei com aquela cara de interrogação de quem não tem a menor ideia do que estava acontecendo.

Ela, então, pensou um pouco e repetiu, pausadamente, apontando para a gaveta: “Geeeeooooorrrrr-geeeeee”.

Olhei para o armário, ainda perdida, me lembrei de que ela tinha pedido as roupinhas que não servissem mais para as meninas e fiz a conexão que pareceu bem lógica na hora, porém, agora pensando, só fez sentido mesmo na minha cabeça: “Oooooohhhhh! Peppa Pig?”

Ela me olhou em choque e eu, em vez de calar a boca, insisti, meio cantandinho, apelando para a linguagem universal da trilha sonora dos desenhos animados: “PÉÉÉÉÉÉÉÉÉÉÉÉÉÉÉÉÉÉPPAAAAAAAAAAAAA PIG! RONC! RONC! RONC!!”.

Aí veio a resposta que ninguém esperava: “No. Son” (com aquela mão no peito, indicando “meu”, sabem?).

Nesse momento, entendi que o diálogo não tinha nada a ver com a porquinha famosa, ela queria que eu fizesse uma etiqueta igual à da Dodoca, com o nome do filho dela: George.

Só que aí já era tarde, não dava mais para descantar a música.

Então, a lição que aprendemos hoje, amiguinhos, é que karma is a bitch.

Sim, ela perguntou se eu estava grávida, out of the blue, fazendo a maldita mímica da pança.  Mas eu, indiretamente, a chamei de Mamãe Pig, em plena sexta-feira chuvosa.

What goes around, comes around.

FIM.

Placar geral: Russia 1 x 1 Brasil x Alemanha perdida na tabela (na dúvida, chutaria uns 7, vai 🙄).

Peppa

Drops de uma vida na Alemanha – parte 4 (Tengo la camisa – y todo el resto – negra)

Aí a raiz do meu cabelo começou a crescer.  Tentei me enganar, disfarçar as evidências, negar as aparências, até que não teve mais jeito, era reeeeealmenteeeeeee hora de tingir.

O problema é que frequento o mesmo salão há séculos, o que significa que não tenho a menor ideia de qual seja a minha cor.  Chego lá, sento e a mágica acontece, saio prontinha da silva sauro, sem nenhum acidente de percurso.

Mas, se tem uma coisa que aprendi nesses meses morando fora é que as pessoas fazem TUDO sozinhas.  Tipo TUDO.  E bem ou mal, estou meio que sobrevivendo, né?

Foi aí que caí na primeira armadilha: aquela autoconfiança traiçoeira, conquistada após muitos anos de infância moldada pela Xuxa, com aquele mimimi de querer, poder, conseguir, sabem?

Não sou nenhuma gênia, longe disso.  Porém, ganhei Prêmio Rotary no colégio uma vez, entrei direto na faculdade, passei de primeira na OAB. Acho que tenho capacidade para passar espuminha no cabelo, certo?

Errado.  Muito errado.  Erradíssimo.

Comecei até que bem. Cheguei ao supermercado, escolhi a cor, vi que a caixinha custava menos de quatro euros, saí de lá toda pirilampa, me achando A MALANDRA, show me something, brazilian baby, etc e tal.

Aí começou a saga.

Primeiro, as instruções eram em alemão. 👌🏻🙄

Mas como sou brasileira e não desisto nunca, decidi seguir os desenhinhos, não poderia ser tão difícil.

Fui espalhando a gosma pelo cabelo tipo #vidaloka, chock-chock, pinga no chão, pinga na pia, pinga na roupa.

Percebi que iria precisar de um pente, porque aquilo estava virando um ninho de pomba. Aí tira a luva com a boca, mancha o queixo, abre o armário, pega o pente, põe a luva de volta, mancha o braço, as pulseiras tudo, chock-chock-chock.

Após alguma dificuldade, tinta malemá passada, entre mortos e feridos salvaram-se todos. Sucesso Capim Cubano.

Aí lembrei que precisava pegar a touca, dentro do bendito armário de novo.  Tira luva, põe luva. Limpa os cabelos que caíram na pia com a luva suja, mancha tudo, joga a luva fora (grande erro).

Esperei meia hora sentada no chão do banheiro, sem encostar na parede, para não manchar móvel nenhum (coluna em choque, tipo “era assim que eu deveria viver??”, bibibi bobobó).

Aí a cabeça coçou, luva já no lixo , manchei a unha, o dedo, o nariz (?), o pescoço, a testa (mais), a alma.  Quis chorar, porém perseverei, pensando que é como chupar caroço de manga, a meleca é dada, o importante é querer, poder e conseguir, só que em uma versão já menos alegre e saltitante.

Trinta minutos passados, fui pegar a toalha com todo cuidado para entrar no chuveiro, usando só as pontas dos dedos e, batata, ela caiu dentro da privada.  Pior, molhou tudo no caminho até a lavadora, OUCEJE, agora terei que lavar o banheiro também.

Aí precisei tirar a blusa e, bom, ela teve que ir para o lixo de forma prematura, com sua grande amiga, a luva (nota mental: usem blusas com botões. Muito mais importantes do que filtro solar ou camisinhas nessas horas #ficaadica).

Entrei no banho, liguei o chuveiro e aí, amores, aí o sertão virou mar. Negro. Tipo piche no golpe do vidro do carro.

Tinha tinta preta por tudo, tudo, tudo, Papai Noel: piso, paredes, costas, rosto, peito, braços, cortina (banheiros aqui não têm box. Por quê??? Por quê?? Por quêêêêêê???) e até nos dedos dos pés.

Mil horas no banho até limpar o encardido (mal ae, Cantareira germânica 😬), sequei o cabelo rapidinho, de qualquer jeito, mega ansiosa para ver o fruto do meu árduo trabalho.

Resultado: a notícia boa é que não fiquei ruiva, nem loira, como temia.  A ruim é que fiquei morena.  Mas morena MESMO.  Mortícia Addams level.  Vou demorar umas quatro lavagens até poder olhar de novo no espelho sem cantar, estalando os dedos.

Quer dizer, a conclusão é única e bem óbvia, né, minha gente: sim, o preço da tinta é apenas 4 euros.  O que ninguém conta é que os outros muitos dinheiros que vc paga no salão são pela sua dignidade.

FIM.

Mortícia 2

 

Diálogos com o maridón – parte 17

Estava lá, tranquila e serena, trabalhando até mais tarde no silêncio do escritório vazio, quando chega uma mensagem do maridón:

– Conselho Tutelar vem me prender.

Pausa dramática.

É uma piada?

É sério?

Um pássaro?

Um avião?

Semi-tensa pergunto o motivo e eis que a resposta chega em capítulos:











Porque algumas pessoas conseguem simplesmente mandar avisos via WhatsApp: “deu ruim, mas está tudo bem, já contornei”, “deixa comigo”, “traz pão quando vier”.

Outras preferem criar sua própria Fotonovela animada em plena terça-feira gelada.

E eu casei.

Feliz dia dos pais para vcs também 🙄

#maridónfacts

#contigorevival

#terceirofilhosósefode

#masadodocaestáótima

#nãochamemoconselhotutelarpufavô