Miguelito, prazer!

Alguns gatinhos têm sorte nessa vida.

Infelizmente, não é o meu caso.

Vivi muitos anos abandonado por aí, comendo o que encontrava no lixo, dormindo molhado, no frio, sem ter onde me esconder.

Foram tempos difíceis.

Não fosse o bastante, um belo dia apareceu um machucadinho no meu nariz, que foi crescendo, crescendo, crescendo, até me deixar com uma aparência bem feia.

As pessoas não me queriam por perto. Mal me aproximava e já era enxotado: “Passa! Passa! Vai transmitir doença!”.

Eu me virava como dava, contornava a dor, respirava fundo. Às vezes só queria um carinho, mas nunca consegui.  Ninguém queria colocar as mãos em mim.

Até que um dia uma tia muito boazinha me encontrou e me acolheu.  A tia Paula ficou sabendo do meu caso e mandou me buscar correndo. Disse que meu machucado tinha nome – carcinoma – e, mais importante de tudo, solução.

Ela prometeu que cuidaria de mim, faria o tratamento, tudo que fosse preciso.

A tia veterinária me avaliou, fez a primeira sessão e foi otimista.  Eu teria grandes chances de ficar bom e viver longos anos felizes.

Só que alguns gatinhos não têm sorte na vida, lembram?

A única recomendação da tia veterinária é que eu não posso ficar exposto ao Sol de jeito nenhum.  Sol é veneno para mim.  Preciso, necessariamente, morar em um apartamento.

E a tia Paula mora em casa.

É… meu dia começou feliz, cheio de esperança.

Mas terminou em uma gaiola, sozinho de novo.

Alguns gatinhos não têm mesmo sorte.

E ali logo em frente, a esperar pela gente, o futuro está ❤️

A. tem apenas dois anos, mas já passou metade da sua curta vidinha em um abrigo.

Aos dez meses foi deixado sozinho, chorando, em casa, enquanto seu pai matava a sua mãe, escrava na indústria têxtil.

A vida como ela é. Nua e crua.

O tempo passou, A. foi crescendo sem família em um abrigo, até que a equipe dedicada do fórum localizou seus avós – pessoas amorosas, porém muito humildes – lá na Bolívia.

Os dois senhores choraram a morte da filha à distância e, mesmo sem conhecer o neto, aceitaram recebê-lo de braços abertos.

Só que os avós não tinham condições financeiras para buscá-lo.

Sozinho, A. também não poderia ir.

A equipe do fórum já havia cuidado da papelada e de toda a parte burocrática. A única coisa que separava A. do seu merecido final feliz eram quatro passagens aéreas e três diárias em um hotel.

A sorte dele – minha também – é que tenho o privilégio de viver cercada por pessoas queridas e generosas, que aceitaram meu pedido de ajuda sem titubear e trocaram o cinema do final de semana por um menininho voltando para casa.

Essa história tinha tudo para ser trágica.  No entanto, foi reescrita.

A. abraçou os avós como se sempre tivessem dividido os almoços de domingo. E entendeu perfeitamente o espanhol.  Ainda tem memória da mãe.

Os avós, por sua vez, disseram, emocionados:”Perdemos una hija, pero ahora tenemos un hijo“.

E eu chorei.

A. foi embora hoje de manhã.

Ganhou casa, família e um final feliz lindo, embrulhado para presente, digno de último capítulo de novela.

O abraço apertado de agradecimento foi em mim. Mas está aqui, porque pertence a vcs também.

Voa, menininho.

Voa e seja tudo que sua mãe sonhou para vc.

Esse mundão é todo seu ❤️

#correntedobem

#voamenininho

#finalfeliz

#obrigadaobrigadaobrigada

alexandre

Sementinha – parte 2

Essa semana teve “Career Day” na escola das meninas.

Falar sobre o ma-ra-vi-lho-so e interessantíssimo (#sqn) mundo do Direito para crianças de quatro anos OOOOOOUUUUUU sobre o trabalho na ONG, espalhando a sementinha do voluntariado?

Ó dúvida cruel! 🤔🤔🤔

O resultado foi esse filminho aqui, explicando o que fazemos e mostrando o antes e depois de alguns dos bichos que passaram pela Morada dos Ramos nos últimos anos (claro que parando slide a slide, para dar tempo de ler  as legendas – leitura dinâmica para caber na música mode ON).

Eles ficaram olhando, super atentos. Pensaram, pensaram e um deles perguntou, já no final:

– Tia, vc pega todos os bichinhos que aparecem na rua?

– Seria legal, né? Pena que na minha casa não cabe.

– Sabe, tia, queria que sua casa fosse infinita.

Pronto. Coração inchado, missão cumprida.

Educação muda o mundo.

Que eles sejam melhores do que nós.

Amém.

“Conselho ajuda, exemplo arrasta”.

Parabéns para mim! :)

Nos últimos doze meses fiz uma cesárea desnecessária, contra a minha vontade; o Panqueca, o Darth e a Cidreira viraram estrelinhas; tive alguns (muitos) sustos; a Dorinha quase morreu; passei váááários dias no hospital.

Em compensação, ganhei uma filha linda de presente; doei 37 gatos (incluindo um idoso/arisco/FIV+/caolho, uma paraplégica que quase não resistiu e um gatão de onze anos diabético, todo ferradinho ❤️); cuidei de uma pomba machucada, até que ela pudesse voar livre; doei cabelo, toneladas (sim, no plural! ❤️) de alimentos, centenas de cobertores, roupas, brinquedos e sapatos (com muita ajuda, claro!); ajudei a inspirar alguns novos vegetarianos (❤️); participei de quatro festas beneficentes, organizadas com todo amor do mundo (uma delas aqui e a quinta já em andamento); de uma campanha comunitária linda de viver; fiz uma tatuagem nova e já estou pensando na próxima.

Sim, o ano foi avassalador.  Mas também foi produtivo, lindo, único e especial.

Se tem uma palavra para definir essa minha trigésima quarta primavera é INTENSA.

Amei como sempre, chorei como nunca.

E em tempos de coração sangrando, nada como fazer uma retrospectiva para enxergar que, às vezes, tudo termina bem.

De presente para mim – e, principalmente, para vcs, que tornaram isso possível – dois vídeos especiais da Vidinha (aqui e aqui), linda, loira e salva.

Obrigada, meus queridos.

Hoje a comemoração é nossa! ❤

Primeiro ciclo

Cidreira quase se foi por duas vezes essa semana .

Parou de comer, não saía mais da casinha e só se levantava, de tanto em tanto, para miar no portão chamando o Darth. Um miado doído, triste, de quem não está sabendo lidar com a saudade.

Ficou pele e osso. Descontrolou a doença renal.  Quase ativou a AIDS. Pegou uma gripe oportunista que virou pneumonia e, depois de duas bolas na trave, terminou em internação.

Meu coração ficou pequenininho vendo minha véia ali, encolhidinha na gaiola, ainda mais quando os exames confirmaram o que já haviam me dito no laboratório e no hospital: Cidreira tem nada mais, nada menos do que uns VINTE ANOS.

V-I-N-T-E-A-N-O-S.

Cada um tem o seu calcanhar de Aquiles nessa vida.

O meu são os velhinhos e os portadores do vírus da FIV (AIDS felina).

São esses que escolho para acolher e oferecer “um ano de vida boa” quando chegam aqui.

Só que o “um ano” da Ci é amanhã.

Nos últimos 365 dias ela virou minha hóspede, aprendeu a confiar, foi internada duas vezes, fez uma cirurgia, aceitou carinhoentrou oficialmente para a família, ficou amiga da Dorinha e da Pilar, teve uma superbactéria, virou objeto de estudo da Faculdade de Medicina da USP, se apaixonou por um negão de tirar o chapéu e ficou viúva.

Foi um ano intenso, é verdade.  Mas não está nem perto de ser suficiente.  Faltam pelo menos dezenove de vida sofrida para compensar.

Minha véia segue internada e só consigo pensar que ainda cabem um MBA, mestrado e doutorado em rabugice, antes que a missão seja cumprida.

Não, eu não consigo desistir dela. Espero, de coração, que ela também não desista de mim.

#véiarabugenta

#paixãoantiga

#adoteumvelhinho

#correntedobem

img_2113

Quando um exemplo vale mais do que mil palavras – parte 5

Quem amamenta não pode comer o que quer. Não pode beber o que quer. Não pode sair quando quer. Não pode dormir quando quer.

Quem amamenta sente dor no começo, se machuca, fica cansada.

Sim, amamentar é lindo, mágico, único, indescritível.

Mas também é FODA.

Amamentar é nutrição, é saúde, é proteção, é vacina, é aconchego, é carinho.

É a sementinha plantada nas gerações que estão por vir.

Amamentar é uma prova diária de amor.

E é isso que faz tudo valer a pena.

#umexemplovalemaisdoquemilpalavras

#semanamundialdoaleitamentomaterno

#SMAM

#doeleite

#doesaúde

#doevida

#doeamor

Voo livre

E, então, Pablo voou.

No tempo dele, do jeito dele, quando quis.

Aquela pombinha frágil e debilitada, sem forças para bater asas não existe mais.

Após um mês de cuidados, comidinha boa, remédios e tratamentos, Pablo se recuperou, ficou forte, foi embora.

Ele não estava pronto há duas semanas, quando tentamos soltá-lo pela primeira vez.

Agora estava. Voou alto, decidido, sem olhar para trás, mostrando que tudo na vida tem seu tempo.  O dele só não tinha chegado ainda.

Não vou mentir que deu um aperto no coração deixá-lo ir.

Difícil dizer adeus.

Mas filhos a gente cria para o mundo.  Não seria justo deixá-lo a vida inteira preso.  Gaiola não é lar.

Pablo voou para longe, deixando a certeza de que fizemos o que era certo.

Sim, ele é só mais um.  Porém, para ele nós fizemos a diferença.

E isso, por si só, já fez tudo valer a pena.

Vai ser feliz, Pablito.

Voa alto.

Até qualquer dia.

❤️

Tudo vale a pena, se a alma não é pequena“.

#GOpatrón

#voapombinharosa

#liberdadeliberdade

#correntedobem