Miguelito, prazer!

Alguns gatinhos têm sorte nessa vida.

Infelizmente, não é o meu caso.

Vivi muitos anos abandonado por aí, comendo o que encontrava no lixo, dormindo molhado, no frio, sem ter onde me esconder.

Foram tempos difíceis.

Não fosse o bastante, um belo dia apareceu um machucadinho no meu nariz, que foi crescendo, crescendo, crescendo, até me deixar com uma aparência bem feia.

As pessoas não me queriam por perto. Mal me aproximava e já era enxotado: “Passa! Passa! Vai transmitir doença!”.

Eu me virava como dava, contornava a dor, respirava fundo. Às vezes só queria um carinho, mas nunca consegui.  Ninguém queria colocar as mãos em mim.

Até que um dia uma tia muito boazinha me encontrou e me acolheu.  A tia Paula ficou sabendo do meu caso e mandou me buscar correndo. Disse que meu machucado tinha nome – carcinoma – e, mais importante de tudo, solução.

Ela prometeu que cuidaria de mim, faria o tratamento, tudo que fosse preciso.

A tia veterinária me avaliou, fez a primeira sessão e foi otimista.  Eu teria grandes chances de ficar bom e viver longos anos felizes.

Só que alguns gatinhos não têm sorte na vida, lembram?

A única recomendação da tia veterinária é que eu não posso ficar exposto ao Sol de jeito nenhum.  Sol é veneno para mim.  Preciso, necessariamente, morar em um apartamento.

E a tia Paula mora em casa.

É… meu dia começou feliz, cheio de esperança.

Mas terminou em uma gaiola, sozinho de novo.

Alguns gatinhos não têm mesmo sorte.

3 pensamentos sobre “Miguelito, prazer!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s