Dona Encrenca

Tenho muitos defeitos (elencados aqui, para facilitar a vida de vcs).  Porém, se tem uma coisa que não costumo ser é ciumenta.

Não controlo likes no facebook, nunca sei com quem o maridón almoçou, não conheço as pessoas da sua equipe. Nem quando ele contratou uma triatleta eu chiei. Aliás, nem sei se a moça era bonita ou não, mas triatleta impõe respeito, né? Uma triatleta não tem celulites, por exemplo. Nada pode ser mais irritante.

Acontece que tudo nessa vida tem limite.

E o meu chegou em uma loja de telefonia celular.

Estávamos lá – eu, o maridón e o vendedor – soterrados por aparelhos, comparando pesos, telas, tamanhos, etc.

Eis que o celular na minha mão começou a tocar e o tapa na cara veio sem aviso: a foto de uma mulher vestindo a camisa 10 do São Paulo (ousadia!) e o nome PRINCESA, piscando ali, em letras garrafais, na tela.

Ai, que cafona. Ai, que traição. Ai, que ódio!

Encarei o maridón com os olhos apertados e rosnei, entredentes, bem baixinho, porque sou phyna:

– QUEM.  É.  PRINCESA???

Maridón demorou uns três segundos para absorver o choque e responder.

Isso equivale a quatro horas e meia no tempo de uma mulher em fúria. Recusei a ligação e comecei a procurar fotos e mensagens de forma enlouquecida.

Até que voltei a ouvir o som ambiente e vi o maridón A-P-A-V-O-R-A-D-O, repetindo em um looping eterno, que deve estar durando até agora:

– É o celular do cara!!!! É o celular do cara!!!! É o celular do cara!!!!!!!!!!

Olhei, confusa, e o vendedor confirmou, pausadamente, no maior estilo “fique calma e abaixe sua arma no três”:

– É a minha namorada. Esse celular que vc está fuçando é o meu. O do seu marido é diferente.

É, minha gente…… deu ruim.

Mas quando se está no inferno, é melhor abraçar o capeta de uma vez, fica menos feio.

Eu até poderia fazer a egípcia, fingir que sou equilibrada e pedir desculpas, antes de sair correndo.

Só que aí não teríamos aprendido nenhuma lição valiosa naquele dia, não é? (Exceto que IOS é IOS, Android é Android. Na dúvida, foca na maçã #ficaadica).

Devolvi o celular, me ajeitei na cadeira, olhei séria para o maridón, ainda com os olhos apertados, o dedo em riste e falei, serena:

– AAAAAHHHHHHH BOOOOOOOMMMMMM!!! Isso é para vc ficar esperto, hein, Ramos Ramos? Estou de olho, meu bem!

Porque sou dessas.

Já que a dignidade tinha ido embora mesmo, pelo menos mandei o recado de que cabaré onde não mando, eu fecho.

Te cuida, maridón.

PS: Princesa, querida, se o seu namorado desligou o telefone na sua cara sem mais nem menos e depois veio com um papinho furado de que foi uma cliente surtada na loja, pode acreditar. Lamentavelmente, esse tipo de coisa acontece.

6 pensamentos sobre “Dona Encrenca

  1. kkk Miga vc não existe to chorando de rir até agora , queria ter visto a cena e a cara dele o André me matava rs…Vc é incrivelmente verdadeiramente uma figura.. 😭😭😭😭

  2. Pingback: Notícias do mundo de cá – parte 13 | PAULAtinamente

  3. Pingback: Diálogos com o maridón – parte 13 | PAULAtinamente

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s