Vegetariana mirim :) – parte 2

Chorei pelos porquinhos do Rodoanel.

Pela crueldade que temos que acompanhar calados todos os dias.

Por um porquinho em especial, que já não está mais entre nós.

Pela minha impotência.

E escutei a Liló repetir baixinho na sala: “bichinho não!”.

Fiquei alguns minutos em dúvida se ela sabia mesmo o que estava falando. Fiz perguntas aleatórias, mas ela foi firme “BICHINHOS NÃO!”.

E aí meu coração cinza se iluminou com todas as cores do arco-íris.

Assim como a irmã, Liloca – com apenas 1 ano e 8 meses – já entendeu que animais são amigos, não comida.

Posso não conseguir salvar todos, mas minha parte estou fazendo.

Sementinhas plantadas, missões quase cumpridas.

Falta só uma de três. 😉

Go, veggie!

❤ ❤ ❤

#sementinha

#correntedobem

#orgulhoinfinito

Feliz aniversário, Pilar! :) – parte 3

E lá se foram três anos.

Três anos tão mágicos, lindos e especiais, que a maior presenteada, sem sombra de dúvidas, fui eu.

Três anos em que aprendi – e ainda aprendo – a ser mãe.

Três anos em que vi meu coração sair do peito, criar braços, perninhas, bochechas e vida própria.

Queria poder agradecer, lhe dando de presente uma música do meu cantor preferido, embrulhada com papel brilhante e laço de fita (a Cecília e a Dora já têm. Chico, #ficaadica ❤ ).

Queria poder lhe dar um mundo mais justo, sem violência, onde TODOS – independente de raça, cor, credo, sexo, classe social ou espécie – fossem respeitados.

Queria poder garantir que sua vida seja plena, repleta de saúde e coisas boas.

Queria poder tirar todas as tristezas, decepções, frustrações e problemas do seu caminho.

Queria que vc fosse feliz a cada segundo. Mas feliz de verdade, do tipo que dá até raiva e inveja nos outros.

Tenho tantos planos para vc, filha. O universo é pequeno para tudo que vc merece.

Espero que vc seja estupidamente realizada e que o céu seja o limite para os seus sonhos.

Feliz aniversário, pirilampa.

Beijos de quem te ama hoje, sempre e a cada dia mais.
Mamãe

#gladyoucame
#trintaeseismeses

Montagem Pi 3 anos

I´ve got you under my skin….

Procurando fotos antigas, achei uma mensagem que mandei para o maridón no começo do ano, logo que descobrimos que eu estava grávida de novo.

Eu mal tinha lidado com a notícia, não tínhamos feito testes, nem exames, era tudo muito novo e delicado.  Porém, desde o primeiro dia, já tinha três certezas: seria outra menina, se chamaria Dora e meu coração já estava completamente inundado por um amor que nem sei explicar de onde veio.

De lá para cá pouca coisa mudou.  A barriga cresceu, Dora ultrapassou a marca dos dois quilos (ufa!), eu ganhei seis de presente (além dos três que já estavam apegados há um tempo comigo) e comecei a sofrer por antecipação, com a contagem regressiva.

Todos perguntam se estou ansiosa para o nascimento, mas a verdade é que gostaria de mantê-la por mais muitas semanas aqui dentro, tão minha.

Ter dois corações batendo lado a lado, juntos no mesmo espaço, é daqueles privilégios que jamais poderei mensurar.

Viver essa experiência por três vezes consecutivas é um presente do universo.

E eu nunca vou parar de agradecer.

34 semanas, 44 centímetros, 2.043 kg.

Obrigada, obrigada, obrigada.

#vemdoravem

#trêsmarias

#ohana

I’ve got you under my skin

I’ve got you deep in the heart of me

So deep in my heart, that you’re really a part of me

I’ve got you under my skin...”

Montagem Dora 34 semanas

#alienfeelings – parte 2

Já contei aqui, para choque geral da nação, que conseguimos perceber os movimentos do bebê pelo lado de fora da barriga.

Só que, pelo visto, a Salomé não acompanha o blog ou perdeu esse capítulo.

Paulatinamente.com orgulhosamente apresenta: “When cat meets alien” ou, na versão brazuca, “Dora, rainha do frevo e do maracatu”.

Porque crescer junto é mesmo tudo de bom ❤

#doravidaloka

#iliketomoveitmoveit

#toxoplasmoseaculpanãoédogato

#arewehumanorarewedancer?

Baseado em fatos reais

Essa é a história de uma pessoa xis, aleatória, escolhida na multidão.  Vamos chamá-la de Paola.

Paola está grávida de oito meses, tem duas bebês, 12 gatos, 4 cachorros e uma hóspede doente em casa.

Paola começou a ter contrações indesejadas antes da hora, seu médico receitou um remedinho bacana, que quase não a deixa virada no Jiraya e recomendou “maneira aí, meu bem”.

Acontece que a filha mais nova da Paola está com pneumonia e teve que ficar uns dias sem ir para a escola.  Não contente, o manobrista do estacionamento bateu o carro dela na saída do hospital.

Aí a hóspede doentinha da Paola precisou tomar remédios e fazer soro subcutâneo diário, mas ela é bem brava e não concordou com o tratamento ainda, obrigando Paola a passar vinte minutos deitada embaixo da pia hoje de manhã (barrigón de oito meses, lembram?) para conseguir pegá-la em meio aos botes e patadas.

Aí um dos cachorros da Paola precisou fazer uma cirurgia de emergência, já que todos os veterinários que cuidaram dele nos últimos tempos – cobrando verdadeiras fortunas, claro – comeram bola, de modo que agora a situação ficou bem grave e complicada (como não amar? ♥).

Aí o chuveiro da Paola começou a pingar do nada, às cinco horas da matina, e ela pediu para o maridón ursulón gastar todos os seus dotes de eletricista para salvar a Cantareira.

Aí Paola acordou cansada, triste, preocupada, contraindo o útero como se não houvesse amanhã e pensou: “vou tomar um banhinho delícia para começar bem o dia”.

Aí o chuveiro da Paola – devidamente desmontado e montado pelo maridón em plena madrugada – começou a soltar faíscas por todos os lados, pegou fogo e queimou, forçando Paola a correr molhada, pelada e gritando pela casa, dando adeus ao seu último fio de dignidade.

FIM.

#forçapaola

#socorro

#gravidezcomserenidadesqn

#infernoastralseulindo

Paula e Haagen - visita pré-cirurgia

Visita de hoje ❤ #forçagordo

Nova hóspede

Sexta-feira à noite ligaram do abrigo dizendo que a Cidreira não estava passando bem.

Eu adoraria ter coragem de dizer “mal aê, estou muito grávida, fica para a próxima”, só que esse tipo de desculpa não cabe quando se trata de uma gata de quinze anos, com FIV+.

Qualquer dia pode ser o último.

Corremos para o hospital e os resultados dos exames não foram animadores. Cidreira está desidratada, com as funções renais comprometidas, deficiência de potássio e, a cereja do bolo, sangue nas fezes, ou seja, sem a menor condição de voltar para o abrigo.

O problema é que a Cidreira não colabora e eu não consigo fazer a fluidoterapia sozinha, com esse barrigón no caminho.

Ela é brava, bate sem dó. Com isso, somos obrigados a fazer todo o tratamento no hospital – e vender nossos rins para salvar os dela, claro.

Ração, remédios, areia, um cantinho gostoso, cuidados e amor eu garanto por aqui. Mas precisamos de ajuda com a conta hospitalar, que já ultrapassou a casa dos mil reais só no primeiro final de semana.

Alguém aí disposto a trocar a pizza do domingão por uma vidinha salva?

Qualquer valor ajuda, podem acreditar.

Afinal, gatinhas brutas e rabugentas também merecem uma chance, né?

Juntos somos fortes ❤

#correntedobem

#paixãoantiga

#velharabugenta

E.T: Os depósitos podem ser feitos direto na conta da tia Carol, usada apenas para manter nosso trio calafrio. Obrigada 🙂 :

Banco Itaú S.A.

Agência: 6369

Conta poupança: 32524-3/500

Andrea Carolina Benitez Santos

CPF: 295.730.118-08

Cidreira renal

Ser pai é…

Feliz dia dos pais ao pai que entende a diferença entre “ajudar a mãe” e assumir uma responsabilidade que também é sua. De peito aberto, com todo o amor do mundo.

Ao pai que troca fraldas, dá banhos e comida todos os dias.

Ao pai que fica deitado ao meu lado no chão, esperando enquanto eu faço as meninas dormirem, só para o caso de precisarmos de alguma coisa.

Ao pai chorão, preocupado, atento, que se desespera a cada arranhão das filhas, como se fosse um ferimento de guerra.

Ao pai que acompanha TODOS os exames, ultrassons, consultas ao pediatra e reuniões da escola.

Ao pai que levanta de madrugada para acalmá-las, dá colo, canta e conta histórias.

Ao pai que transforma o quarto das meninas em uma estufa mesmo no verão, só porque tem medo delas ficarem doentes.

Ao pai que liga e manda mensagens várias vezes ao dia, só para nos lembrar de que somos amadas.

Ao pai que lava o quintal, limpa as caixas de areia, compra ração e dá remédios, sem reclamar.

Ao pai que está sendo minhas mãos, meus braços e minhas pernas, agora que o barrigón pesou. Mas que nunca deixou de ser minha metade e o meu coração, porque sabe que dividir a vida é isso.  Venha o que vier.

Feliz dia dos pais ao pai que me deu os presentes mais lindos, incríveis e especiais do mundo.

O dia é dele, mas o privilégio é todo meu.

Te amo para sempre, lindão. ♥
Espero que seu dia seja extraordinário, como vc.

Party of five <3

Plano de parto

Depois de duas tentativas #fail de parto normal, o inevitável aconteceu: eu virei a louca do parto.

Tudo que não fiquei ansiosa das outras vezes, que não estudei, não me preocupei, nem me preparei está sendo compensado em triplo.  Fico analisando todas as possibilidades, o que pode dar errado, o que pode acontecer de diferente e me fazer parar em uma mesa de cirurgia de novo.

O bom é que agora tenho a segurança de que não ouvirei #mimimis do tipo “seu exame de strepto deu positivo”, “seu colo do útero ainda está fechado”, “uma vez cesárea, sempre cesárea”, etc, etc, etc.

Pelo contrário, meu médico disse com todas as letras que a probabilidade de ruptura uterina – mesmo após duas cesáreas (bem) recentes – é mínima e tenho 70% de chances de conseguir meu tão sonhado VBA2C.

Mas 30% ainda é muito.

Representa quase um terço de brecha para eu terminar frustrada como no parto na Lily.

E foi aí que me peguei rascunhando o que nunca pensei que faria na vida: um plano de parto.

Como não sei muito bem o formato que deveria ter, simplifiquei o cenário em duas listas básicas, uma com o que quero e outra com o que não quero que aconteça quando a Dora chegar.

Em resumo:

* EU QUERO:

– estar em um hospital;

– tomar anestesia;

– amamentar no primeiro minuto de vida;

– intimidade;

– banheira para o pré-parto;

– comer (#gordinhafeelings);

– esperar o máximo de tempo possível antes de desistir, mesmo que isso signifique muitas horas;

– maridón o tempo todo comigo;

– as meninas por perto, para conhecerem a irmã logo após o nascimento.

* EU NÃO QUERO:

– induzir o parto (quero respeitar a hora dela, como já falei aqui);

– gente em volta de mim durante as contrações e pródromos (mas na hora do nascimento quero a torcida do Flamengo, podem chegar!);

– parto domiciliar ou em casa de parto;

– chuveiro (call me ridícula, mas jamais conseguiria relaxar com o desperdício de água rolando solto.  Sou dessas, infelizmente);

– estourar a bolsa manualmente (a menos que seja condição sine qua non para continuar o processo de parto normal);

– ter uma doula;

– fazer episiotomia;

– ficar sozinha em uma sala de recuperação após o nascimento.

Caso todos esses itens sejam atendidos e, ainda assim, eu precisar de uma cesárea, tudo bem, vou aceitar.  Porque o mais importante estará lá: amor e respeito.  Por mim, pela Dora e pelo nosso momento.

O resto é resto.

Campanha #partocomrespeito.  Eu apoio, eu quero, eu mereço.

#VBA2Cvemnimim

Diálogos com o maridón – parte 12

Maridón filosofando durante o almoço:

– Fico pensando como minha mãe fazia com três moleques sozinha, quase sem apoio… Outros tempos, né?  Os homens não se envolviam tanto e a galegada ainda ficava dando palpite, reclamando, aquela beleza.  Isso porque minha mãe não era fácil, viu?  Ela era bem brava e geniosa.  ACHO QUE FREUD EXPLICA.

Aí eu pergunto: maridón teve a OUSADIA de chamar a esposa grávida de oito meses, toda trabalhada na progesterona, de brava AND geniosa ou é impressão minha?

E depois ainda dizem que o Chuck Norris é que não tem medo da morte.

#maridónfacts

#donjuanfail

#lógicamasculina

#fuééééééénnnn