Notícias da Catarina

Sábado olhei para a Catarina e me desesperei. Chorei, me despedi, achei que ela estivesse partindo.

O diagnóstico de PIF úmida era visível e ainda foi confirmado por três veterinários diferentes (um deles bastante famoso):

Cata Fiapinho

Acontece que não estou acostumada a entregar os pontos. Esse comportamento resignado – de apenas esperar passivamente uma doença horrível levar minha nova filhota embora – estava me enlouquecendo.

Marquei outra consulta, mais exames foram feitos e o hemograma acusou uma infecção avassaladora, que fez a veterinária (querida!) vir correndo até a minha casa em pleno domingo, só para aplicar a dose certa do antibiótico.

O resultado do remédio (somado à bomba de vitaminas e muitos mimos) está aqui:

Pode ser que a PIF leve meu fiapinho nos próximos dias. Ou a desnutrição, a pancreatite, a lipidose, os problemas intestinais ou renais. Ela está por um fio, eu sei.

Mas, apesar de tudo, sou incapaz de jogar a toalha. Não tenho coragem de desistir de uma gata que amassa pãozinho quando escuta a minha voz.  Não consigo, não posso, não quero.

Por isso, enquanto a Catarina quiser viver, estarei ao seu lado, fazendo TUDO que estiver ao meu alcance para garantir sua merecida aposentadoria.

Eu e ela, juntas, remando contra a maré. Até o fim.

#gocata

#fiapinho

#milagrinha

Toxoplasmose: a culpa não é do gato! – parte 2

Já contei no blog que a probabilidade de se contrair toxoplasmose pelo contato com gatos domésticos é praticamente nula.  Contudo, percebo que o assunto ainda gera dúvidas pelo número diário de acessos ao post, além das frases utilizadas para pesquisa, tipo: “doação de gato urgente + gravidez + toxoplasmose”.

Como sou brasileira e não desisto nunca, cá estou de volta, com o barrigón da TERCEIRA filha, para mostrar que continuo cercada por TREZE gatos (fora um ou outro que cruza meu caminho por aí) e todos os exames permanecem negativos.

Em uma conta de padeiro, diria que cerca de quinhentos bichanos (além de uma pomba e duas galinhas) passaram de alguma forma por minhas mãos nos últimos anos – desde bebês criados na mamadeira até velhinhos com incontinência – e nunca, nunca, NUNCA me contaminei.

Ou seja, a matemática é bem basilar: se houvesse qualquer chance significativa de contágio, eu certamente estaria nessa estatística.  É impossível “dar sorte” por tantas vezes, por tanto tempo.

Para os céticos de plantão, a prova dos nove está aqui: minhas duas filhas são vegetarianas, saudáveis e felizes, criadas no meio da bicharada desde o dia em que nasceram, sem qualquer intercorrência.  E a terceira chegará em poucas semanas, para seguir os mesmos passos.

Então, antes de alimentar o preconceito, lembre-se de que a informação é sempre o melhor remédio: gatos pretos NÃO dão azar, gatos NÃO são traiçoeiros e a culpa pela toxoplasmose NÃO é dos gatos.  Simples assim.

Não abandone seu bichinho só porque seu mini-humano chegou.  Não ensine desde cedo que desamparar e ser cruel é bacana.

Ensine amor, compaixão, lealdade.  Ensine seu filho a ter o coração no lugar e a respeitar o próximo, independente da espécie.

Quem sabe assim, não formaremos adultos mais conscientes e tornaremos o mundo um pouquinho menos cinza?

If you wanna make the world a better place

Take a look at yourself and then make a change”.

#correntedobem

#aculpanãoédogato

#crescerjuntoétudodebom

ET – Eis o resumo da ópera, para quem ficou com preguiça de clicar no link do post anterior: para se contrair toxoplasmose de um gato, ele precisa estar contaminado, o que por si só já é raro (apenas 1% – UM POR CENTO! – dos bichanos são hospedeiros), você precisa limpar as fezes dele – expostas há mais de 72 horas – com as mãos e depois colocá-las na boca.  Impossível para qualquer criatura que tenha os mínimos hábitos de higiene, certo? 😉 Gravidez e gatos Meninas e bicharada Exames toxoplasmose

Canção para vc viver mais…

Meu coração estava tentando esconder o que meus olhos viam com clareza há alguns dias: Catarina está com PIF úmida.

Estou com uma sensação de injustiça que não cabe no peito.

Olho para ela e choro. Não consigo mais dormir, acordo a noite inteira, torcendo para ser apenas um mal entendido ou um pesadelo.

Dói muito saber que depois de uma vida inteira de sofrimento, Catarina não terá direito à aposentadoria prometida.

Seu final feliz foi roubado.

Ao perder batalhas como essa, morremos um pouquinho por dentro também, sufocados pela impotência.

Minha fiapinho está indo embora e não há nada que eu possa fazer para ajuda-la.

Tudo que eu queria hoje era poder parar o tempo.

#tristezasemfim

US Catarina