Maridón ursulón – parte 2

Aí São Paulo está na famigerada crise hídrica, com racionamento psicológico por toda a cidade.

No meu bairro, por exemplo, temos água apenas entre as sete da manhã e a uma da tarde. Por sorte, nossa caixa d’água é grande e está segurando o tranco.

Muito que bem.

Uma bela manhã acordamos com todas as torneiras da casa secas e duzentos graus Celsius na sombra . No dia seguinte a mesma coisa. No terceiro dia eu já estava dando um chilique, querendo matar o universo e chorando por um banho que não fosse de gato, até que o maridón inflou o peito e falou: “deixa comigo!”.

Conhecendo todo o histórico, ainda tentei convencê-lo a chamar um encanador (aka, profissional do ramo), porém, de alguma forma isso ofendeu o espírito espanhol dele e o desafio virou pessoal.

Maridón partiu, então, em busca de uma escada para subir na caixa d’água (como se tivesse alguma ideia do que fazer a partir daí, mas abafemos o caso).

Entrou em uma ludjinha na avenida aqui perto e encontrou uma grandona, de cinco (C-I-N-C-O) metros de altura. Não bastasse a pequena (nem tão pequena) fortuna gasta na tal da escada, maridón saiu da loja e se deparou com um detalhe que havia passado batido em sua fantástica logística: COMO levar aquele trambolho embora?

Primeiro passo: tentou enfiá-la no carro #fail.

Segundo passo: tentou CARREGÁ-LA PENDURADA, COM O BRAÇO PARA FORA DO CARRO, enquanto dirigia #fail.

Terceiro passo: colocou a escada de cinco (C-I-N-C-O) metros nas costas e veio andando até a nossa casa, enfrentando ladeiras, faróis e batendo em tudo pelo caminho (duzentos graus Celsius na sombra, lembram?).

Ok.

Chegando em casa – suando em bicas e bem humorado (#sqn) – maridón encostou a escada na fachada e TCHANAN! não alcançou nem a metade do caminho.

Diante disso, maridón resolveu fazer o que qualquer pessoa faria em seu lugar: chamar um encanador trocar a escada por outra maior, claro.

“Moço, tem escada para alpinismo na árvore de Natal do Ibirapuera? Não???”.

Volta o cachorro arrependido, com a escada de cinco (C-I-N-C-O) metros nas costas, para refazer todo o percurso, batendo nas coisas, com o pessoal buzinando na rua, aquele fuá.

Briga na loja o cachorro arrependido, porque o vendedor não queria aceitar a devolução.

Pede ajuda o cachorro arrependido, para o primo buscá-lo de carro com ar condicionado.

Xinga o cachorro arrependido, porque a esposa ficou dando risada ao invés de ajudar.

Chora o cachorro arrependido, porque a história poderia acabar aqui. Mas não.

Ao chegar em casa, DUAS HORAS DEPOIS, maridón olhou para o teto do corredor e descobriu que existe acesso interno à caixa d’água.

Fuéééééééééénnnnnnnn…..

#epicfail

#cromossomoy

#ursulão

8 pensamentos sobre “Maridón ursulón – parte 2

  1. Pingback: Baseado em fatos reais | PAULAtinamente

  2. Pingback: Burrito | PAULAtinamente

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s