Tudo junto e misturado

Era para ser um vídeo da Sagui aprendendo a correr e saltitar pela sala. Mas, ao invés da macaquinha-cabritinha, virou um vídeo da Pi chamando a “Tabi”.

Porque em casa é sempre desse jeito, quando quero filmar as filhas aparecem os gatos, quando quero filmar os gatos aparecem as filhas e, de vez em quando, ainda rola a revelação de uma identidade secreta.

Assim caminha a humanidade.

Ainda bem.

🙂

#crescerjuntoétudodebom

#felíciaisindahouse

#milagrinha

Feliz 26 meses, Pi! :)

Ok, eu admito. As fotos andam cada vez mais improvisadas.

Falta tempo, falta colaboração, falta equipamento, falta tudo.

Mas, pelo menos dessa vez, eu fiz um filminho fofo com a Sagui para compensar 🙂

“Um dia a areia branca
Teus pés irão tocar
E vai molhar seus cabelos
A água azul do mar

Janelas e portas vão se abrir
Pra ver você chegar
E ao se sentir em casa
Sorrindo vai chorar

Debaixo dos caracóis dos seus cabelos…”

#gladyoucame

#vinteeseismeses

IMG_5590

Pi e Sagui ♥

Sagui Armstrong

Sagui quase foi e voltou algumas vezes ao longo dos seus vinte e poucos dias de vida.

Uma verdadeira guerreirinha.

Foram muitos sustos, progressos, retrocessos, instabilidade, tremeliques e atrasos no desenvolvimento.

Duas semanas de luta diária, que me esgotaram como se fossem meses.

Mal conseguia dormir, sem saber o que encontraria na mamada seguinte.

Como descansar deixando de lado um mini ser molinho, largado, tremendo em suas mãos?

Ninguém acreditou. Ninguém pensou que pudesse dar certo. A veterinária contou que reverteu um único caso como o dela, em toda a sua carreira.

Mas milagrinhos acontecem todos os dias.  E é lindo de se ver quando um deles aparece.

É um privilégio poder acompanhar de perto cada conquista, cada evolução, cada pequena vitória.

Hoje eu ganhei. Na mega sena acumulada, dupla twist carpada: Saguizinha deu seus primeiros passos. Sem tremer, sem tombar para os lados, sem perder a força, nem se arrastar.

Foram quatro passos inteiros, do fundo da caixa até a porta, onde eu estava.

Quatro passos até mim, seguindo minha voz, já que ela ainda não enxerga.

Quatro passos firmes e decididos, de quem escolheu viver.

Quatro passos, que fizeram tudo valer a pena.

Obrigada, macaquinha. O céu é o limite para nós. ♥

#nãotempreço

#milagrinha

#correntedobem

Sagui crescendo

#Corujices curtinhas – parte 2

Com o livro de histórias:

– Quem come o bambu, filha?

– O mannnnnndá!

– E a folhinha?

– A cenopéia!

– E a amora?

– O pipiu!

– E a banana?

– A Pi!

——

Hora de dormir, luz apagada, eu sentada ao lado da cama:

– Dá a mão pá Pi, pupabô, mamãe?

Dei a mão, ela deu um beijo e falou:

– Ti anu, mamãe. Bonoite.

– Também te amo, Piló. Dorme bem.

Silêncio.

Achei fácil demais, quando a esmola é muita, o santo desconfia.  Esperei mais alguns minutinhos para ter certeza de que ela estava mesmo dormindo, levantei pé ante pé e ouvi:

– Aiiiiiiii, mamãe, hora de naná! Deita. Fecha o olho. Tó a pepe. Nanaaaaaaaa neneeeeeeeeeeeee…..

Fuéééén….

——

Cheguei em casa e encontrei a Pi com uma micro-bolsa a tiracolo, passeando pela sala com o carrinho da boneca. Ela me deu um beijo e falou “Tau, tau, genti!”, dando tchau com a mãozinha e indo para a porta.

Perguntei: “Onde vc vai, filha?”.

E ela: “tabaiá, ué!”

——

Todas as vezes em que toca a campainha, independente do horário, a Pi começa a correr pela sala, batendo palminhas e gritando:

– Picsaaaaaa! Picsaaaaaa! Pá Pi! Pá Pi!

#gordinha

——

Brincando com aqueles blocos de madeira de fazer casinhas, quando, de repente, a Pi parou e começou a procurar desesperada:

– Cadê, correio? Cadê, correio, mamai? Cadê? Cadê?

Fiquei olhando, sem entender nada, até que ela encontrou a peça CERTA, respirou aliviada e falou:

– Ufa! Achei!

#perovazdecaminhafeelings

——

Gatos brigando na sala, aquele fuá, eis que a Pi chega correndo, separa os dois e fala:

– Paia! Paia! Paia já! Quequéisso? Não pode bigá! Que feio! Sai, Shae! Pede desculpa tóia! Aaaaaaaaahhhhhhh, bom!

——

Pilar esfregando a toalha do lavabo nos móveis e cantando “Venha coiendo pá Xesuis…”.

Perguntei o que estava fazendo e ela:

– Limpando essa casa.

❤️❤️❤️❤️

DQ6A9524

Diálogos com o maridón – parte 9

Maridón, se achando O antropólogo, solta DO NADA, durante o almoço:

– Sabe, Bo, andei pensando e descobri quando as pessoas envelhecem e ficam acabadas: quando elas têm filhos. É o grande divisor de águas, pode reparar.

Silêncio.

Cara de choque.

Indignação.

Maridón, percebendo que me chamou de velha AND acabada:

– Não, não… Mas vc continua linda. Não quis dizer que envelheceu, nem está acabada. Isso só vale para as outras mães, vc não.

Aham. Sei.

Senta lá, Cláudia.

Quem acha que eu poderia ter passado a noite em claro, cuidando de uma micro gata ido dormir sem essa levanta a mão! o/

Aí eu pergunto: joias, roupas, sapatos, viagens ou uma nanogata nova de presente, para compensar o tiro no pé?

Está aberta a votação.

#fuénfuénfuén

#donjuanfail

#lógicamasculina

Feliz décimo mês, Cecília! :)

“Come stop your crying it will be all right
Just take my hand, hold it tight
I will protect you from all around you
I will be here, don’t you cry

For one so small, you seem so strong
My arms will hold you
Keep you safe and warm
This bond between us, can’t be broken
I will be here don’t you cry

Cause you’ll be in my heart
Yes, you’ll be in my heart
From this day on
Now and forever more
Always…”

“Me escutas, Cecília?”

#lilyfuracão

#dezmesesderatinha

#isntshelovely?

Montagem 10 meses Lily - 2

Uma manhã (literalmente) cagada

– 4:30 am: levantei para cuidar da Sagui, mas ela não quis mamar de jeito nenhum. Já comecei a ficar em pânico.

– 5:00 am: Pi teve um pesadelo e acordou aos prantos, inconsolável.

– 5:30 am: Passarinhos começaram a cantar na janela. Pi ainda estava acordada, com seus quase quinze quilos, no meu colo.

– 6:00 am: Cachorros começaram a uivar. Pi ainda estava acordada, com seus quase quinze quilos, no meu colo. Perdi a sensibilidade nos braços, costas e pescoço, mas ela parou de chorar, já estava no lucro.

– 6:30 am: Pi até que enfim se acalmou e dormiu, com seus quase quinze quilos, ainda no meu colo. Consegui fazer um movimento ninja e acomodá-la na cama. Sensibilidade corporal imediatamente recuperada, agora em forma de dor.

– 6:45 am: me joguei feito jaca podre na cama e rasguei o lençol. Cogitei trocá-lo por quase três segundos, mas méh… Decoração rústica está in.

– 7:30 am: maridón saiu para trabalhar.

– 7:35 am: Lily acordou para mamar animadíssima, distribuindo sorrisos, sem nenhum indício de que talvez, quem sabe um dia, pudesse voltar a dormir.

– 7:45 am: Sagui começou a piar. Pensei que fosse fome e avisei que ela já era a próxima da fila no bonde das mamadas (sim, eu converso com eles, podem me julgar).

– 8:00 am: abri a caixa da Sagui e encontrei o Atol de Moruroa, em um caos de destruição e cocô incompatível com um serzinho que pesa menos de duzentos gramas.

– 8:05 am: me recuperei do choque e comecei a limpar a baderna.

– 8:15 am: ainda limpando a baderna. Lily começou a chorar.

– 8:30 am: ainda limpando a baderna. Lily ainda chorando. Pi acordou. Faltava meia hora para minha auxiliar chegar.

– 8:45 am: desisti e fui dar banho na nanogata, enquanto três pessoas choravam (prefiro não revelar as identidades).

– 9:15 am: minha auxiliar subiu, entreguei as meninas para terminar de cuidar da Sagui, que já estava com a mamada ultra atrasada.

– 9:16 am: Pi se rebelou e virou o Godzila, gritando “Mamai! Mamai!”, em tons guturais.

– 9:17 am: Pi agarrou a minha perna. Derrubei todo o leite da nanogata no microondas, armário, porta da geladeira e chão.

– 9:25 am: Limpei a maçaroca usando apenas a mão direita (sim, sou canhota), já que a esquerda estava ocupada com a Pi e a gata no colo. Ser mãe é desenvolver novas habilidades a cada dia, que benção.

– 9:30 am: Preparei novo leite para a Sagui, ainda com a mão direita.

– 9:32 am: Pi, continuava surtada (terrible two ♥). Coloquei-a no chão e ela derrubou o leite da gata na toalha da mesa, tentando subir de volta para o meu colo.

– 9:40 am: Pi fez um cocô homérico e não deixou ninguém trocar, “só a mamai”.

– 9:42 am: Pi organizou uma rebelião no presídio, começou a gritar, chorar e esfregar a fralda de cocô no chão, me obrigando a interromper os cuidados com a coitada da gata, antes que fosse preciso chamar a Tropa de Choque.

– 9:50 am: ainda tentando fazer a Pi deitar para trocar a fralda. Sagui piando de fome.

– 9:55 am: desisti de tentar trocar a fralda da Pi e dei uma de Supernanny: “a mamãe está aqui, quando quiser trocar a fralda, me avisa”.

– 10:00 am: dei uma gota de Glicopan para a Sagui e fui preparar a mamadeira dela pela terceira vez.

– 10:05 am: Pi começou a chorar, subiu no meu colo (cheia de cocô) e derrubou a mamadeira da gata na toalha DE NOVO (juro, juro, juro).

– 10:06 am: Fui trocar a fralda da Pi, enquanto a Shae lambia o leite derramado. Mais uma diarreia a vista, ótimo.

– 10:15 am: fralda trocada, mesa limpa, finalmente fiz a QUARTA mamadeira da Sagui, que não quis mamar.

– 10:25 am: tive que passar sonda na Sagui, para ela não ficar desidratada, enquanto a rebelião da Pi continuava firme e forte, a todo vapor nas minhas orelhas.

– 10:45 am: terminei tudo e decidi entrar no banho, ultra mega blaster atrasada, sem cuidar dos demais bichos, nem tomar café da manhã.

– 10:46 am: Lily começou a chorar de fome.

– 10:47 am: coloquei a roupa de volta e fui amamentar a Lily. Pi começou a chorar, com ciúmes, pedindo “colinho da mamai”.

– 11:00 am: estou aqui, amamentando uma filha, com a outra no colo. Sem banho, sem comida, sem trabalho, nem dignidade. Meu dia – que começou as 4:30 da madrugada -, ainda nem começou de verdade.

Mas está fácil, está bacana, está beleza.

Usem camisinha.