Feliz nono mês, Cecília! :)

Mal pisquei – de novo – e lá se foram nove meses.

Mais tempo fora do que dentro da minha barriga.

Uma mini pessoa, cheia de vontades e opiniões.

O melhor presente inesperado que a vida poderia me dar.

Parabéns, filha.  O mundo é pequeno para tudo de lindo que vc merece.

Te amo para sempre!

Beijos

Mamãe

“Quantos poetas

Românticos, prosas

Exaltam suas musas

Com todas as letras…”

#lilyfuracão

#novemesesderatinha

#isntshelovely?

Montagem Lily - 9 meses - melhor

Porcaria

Aparentemente o tema da semana é gatos. E não pelos motivos que eu gostaria.

Petisco-Porcaria foi resgatado do motor de um carro, na gravidez da Pi, quando eu estava a caminho do hospital, em uma crise terrível de sinusite.

Ele logo foi adotado, mas não deu certo, acabou voltando para a minha casa. Parou de comer de um dia para o outro, emagreceu um monte, ficou pele e osso, não levantava, não brincava, estava completamente largado.

Foram quatro meses de luta diária, dando papinha com seringa de duas em duas horas e acordando sem fôlego, com medo dele ter virado estrelinha durante a madrugada.

Os resultados dos exames indicavam PIF, a pior doença que um gatinho poderia ter. Apesar de incurável e fatal, o estado clínico do Porcaria foi melhorando e ele se estabilizou. Quem olhasse seu hemograma jamais diria que pertencia àquele bebezico serelepe, que me recebia piando todos os dias na porta.

Coisas cotidianas, como vacinas ou um simples resfriado, sempre foram delicadas e exigiam um cuidado especial, mas, fora isso, Porcaria teve vida normal nos últimos dois anos.

Até que ontem o meu mundo caiu de novo. Comecei a encontrar vômitos pela casa, resolvi fazer um check up e descobri que ele está todo descompensado. O e-mail da veterinária foi alarmante: “estou preocupada, Paula”.

Quando se escolhe adotar um bichinho doente, esse tipo de acontecimento não deveria ser surpresa, faz parte do jogo. Parece até incoerente dizer que eu não estava preparada. Contudo, a verdade é que não estava mesmo.

Não estou pronta para perder meu bebezico e o pânico está me deixando irracional. Chorei no trânsito, no trabalho, no banheiro. Estou negociando com Deus, fazendo promessas, esperando uma dádiva acontecer, me sentindo um lixo, com o coração apertado.

Por isso resolvi apelar e vim aqui pedir torcida, energias positivas, reza brava, o que for.

Alguém na escuta com palavras de consolo? Apoio moral? Um milagre no bolso?

Gratifica-se bem, obrigada.

20140913-030603-11163143.jpg

GATARYS!

A ONG resgatou dois gatos dentre os poucos sobreviventes da tragédia do Tatuapé: uma já castrada, prontinha para ser doada e outra cheia de mini perrengues. Adivinhem qual é a minha?

Khaleesi tem tamanho de filhote, mas já tem cerca de dois anos. Os pelos longos não me deixaram perceber como está magrinha (pesa apenas dois quilos, pouquíssimo para um gato adulto, dá até para sentir as vértebras da coluna dela).

Passou muita fome nessa vida. Nas últimas quarenta e oito horas, comeu nada mais, nada menos, do que NOVE potinhos de ração e dois sachês.

É mansa, mansa, mansa, mansa, como poucas vezes vi. Ronrona, se esfrega, pede colo, mostra a barriguinha e treme de medo ao mesmo tempo, é de partir o coração. Tomou uma injeção doída sem precisar ser contida e não deu um pio sequer.

Ainda não está castrada, veio com o kit básico da rua: sarna de ouvido, parasitas, vermes e, a cereja do bolo, provavelmente hemobartonelose, a doença da pulga.

Essa doença deixa o sangue bem ralinho, quase transparente, causa anemia forte, aumento do baço, necessidade de transfusão de sangue e uma série de complicaçõezinhas. Se não for controlada, pode ser fatal – mas esse não será o caso da Khaleesi, claro.

O resultado do hemograma, com informações mais concretas, deve sair ainda hoje. Porém, a boa notícia do dia é que o exame de FIV e FELV já deu negativo. 🙂

Então, seguimos aqui: eu fazendo um esforço sobre-humano para não me apaixonar (mais), ela esperando a família de comercial de margarina e comendo como se não houvesse amanhã.

A pergunta que não quer calar é: existe um limite para a belezura felina, antes que os outros gatos passem a odiá-la ou seja uma afronta legal? Porque se encardida, suja e cheia de nós essa gata está horrorosa desse jeito, onde iremos parar, minha gente?

GATARYS! ♥

#outrasninasvirão
#correntedobem

Khaleesi

Corujices curtinhas

Besteirinhas cotidianas, para aliviar o clima tão triste e difícil dessa semana:

Ganhei uma bela intoxicação alimentar de presente de aniversário.

Estava jogada na cama, moribunda, depois de encarnar a exorcista e não deixar pedra sobre pedra no meu carro (puro glamour, só que não, eu sei).

A Pi veio me abraçar, me deu um beijo, colocou a mãozinha no meu peito e falou:

– Tenti, mamãe!

Peguei o termômetro e bingo, estava mesmo com febre, nem tinha percebido.

Talento para veterinária mode ON 🙂

#economiafeelings

——-

– Filha, quando vc quiser alguma coisa, não precisa chorar, é só pedir e falar “por favor” no final, entendeu?

Ela me olhou, sorriu e soltou:

– Mamai, mai tuto, pupabô-nu-fial?

#literalidades

——-

Ela não pode encontrar papéis soltos pela casa, que leva correndo para a lixeira de recicláveis e fala:

– Ponto! Pi ajuda mamãe!

#minisersustentável

——-

Pi não entende a diferença entre “tó” e “dá”.

Quando quer alguma coisa, estica os bracinhos e pede:

– Tó, mamai! Tó, mamai!

——-

Fui entregar um gato para os novos adotantes. A Pi viu a caixa de transportes, começou a gritar, bater palminhas, pular pela sala e falar:

– Ga-tô! Ga-tô! Da Pi! Da Pi!

#alokinha

#felícia

——-

Lily chorando na cozinha e eu escutando da sala:

– Não, chola, Lily, não chola. Tó a pepe.

E fez-se o silêncio ♥

#amormaior

#irmãs

#ohana

“My universe will never be the same.
I’m glad you came.
I’m glad you came…”

DQ6A8713

Khaleesi, muito prazer!

Khaleesi não é da família GOT, mas também é uma sialata, vítima da crueldade humana, como tantas espalhadas por aí.

Ela e outros QUARENTA gatos viviam abandonados em uma casa, que foi DEMOLIDA COM TODOS DENTRO, para dar lugar a uma Igreja.

Sim, as pessoas sabiam que eles moravam lá, concordaram em esperar uma semana para começar as obras, porém não cumpriram o prometido e derrubaram T-U-D-O, matando muitos animais – inclusive bebezicos – literalmente esmagados.

O resultado é o caos que vcs podem ver nas fotos abaixo.

Vou poupá-los dos detalhes avassaladores, as imagens falam por si só: muita tristeza, muitas lágrimas, muita angústia e um trabalho quase infinito a ser feito pelos coitadinhos que conseguiram escapar, tão machucados e traumatizados.

Hoje foi o dia em que o melhor e o pior do ser humano apareceram no mesmo lugar.

Dia em que alguns mataram e massacraram, sem dó nem piedade, “em nome de Deus”, enquanto outros largaram o que estavam fazendo, arregaçaram as mangas e foram ajudar os poucos sobreviventes, sem se preocupar com problemas pessoais, comer ou descansar.

Dia em que o lavabo aqui de casa ganhou uma nova moradora, tão linda e assustada, que faz doer o coração.

Hoje é dia de recomeço para a Khaleesi. Dia de resgate, de esperança renovada, da certeza de um futuro melhor e diferente, ao menos para ela.

Dia de fazer girar a corrente do bem e deixar o mundo um tiquinho mais bonito para minhas filhas.

Hoje é o dia em que as lágrimas quiseram escorrer, mas não puderam. Infelizmente, há muito a ser feito ainda.

Seja bem-vinda, querida. Dorme tranquila, seus dias de tormenta ficaram para trás.

#resgatedodia

#correntedobem

#outrasninasvirão

Montagem Khaleesi

Anúncio de classificados: EX-grávida engajada pede ajuda – parte 2

Sempre me pergunto por que tantas pessoas se fingem de mortas e não movem uma palha para ajudar o próximo, quando tudo seria tão mais fácil se cada um fizesse a sua parte.

Depois de vários anos como voluntária, finalmente entendi que a resposta é muito simples: ajudar cansa, desgasta, dá trabalho, é difícil, demanda sacrifícios e nem sempre traz os resultados esperados.

Há MAIS DE UM ANO contei aqui sobre uma protetora independente que morreu e deixou vários animais abandonados, em uma situação calamitosa.

Eu estava grávida da Lily, com a Pi pequena e desesperada com aquela situação. Organizamos um jantar beneficente, muitos de vcs ajudaram (obrigada!), levantamos dinheiro, socorremos os mais necessitados e o assunto ficou esquecido.

Acontece que, para quem coloca a mão na massa todos os dias, o assunto não acabou por aí. Ao contrário, está há anos luz de terminar.

A chácara foi vendida pelos familiares da protetora, os animais ficaram desalojados e, após muita batalha, ainda sobraram 12 gatos, de difícil adoção.

Doze gatos adultos, portadores dos vírus da FIV (AIDS felina, meu calcanhar de Aquiles) e/ou FELV (leucemia), que precisam de cuidados, atenção, comidinha boa e, claro, uma casa para chamar de sua.

Algumas amigas improvisaram um abrigo e estão cuidando desses coitadinhos. Mas, como eu disse lá em cima, arregaçar as mangas e ir a luta não é nada fácil. E, pior, é caro. Muito caro mesmo.

Precisamos de ajuda. De novo e sempre.

Precisamos de remédios, ração, areia, vacinas, dinheiro, tudo.

Sei que ninguém gosta de histórias tristes. Sei que gatos carentes, abandonados, velhinhos e doentes não são o tipo de notícia que as pessoas procuram ler por aqui.

Porém, como dar risadas e contar sobre meu dia de Emily Rose em plena Rebouças, enquanto a Cidreira não tem o remedinho que precisa? Ou a Lavanda uma cama quentinha para dormir nesse frio?

COMO colocar a cabeça no travesseiro e descansar tranquila, sabendo que tantos bichinhos precisam de apoio?

Infelizmente (ou felizmente), eu não consigo fechar meus olhos. E as meninas que assumiram essa bucha menos ainda.

Por isso, estamos organizando um novo jantar beneficente, nos mesmos moldes do anterior, no próximo sábado, dia 13 de setembro. Quem puder ajudar, por favor, escreva para mim ou para gatinhosdecotia@gmail.com.

Além dos convites, também aceitamos doações de todos os tipos. Não existe ajuda pequena, menor ou insignificante. TODA ajuda é bem-vinda e será muito, muito, muito útil, podem acreditar.

Que tal começar o mês tornando a vida desses pobrezinhos um pouquinho melhor?

Nós e os gatinhos carentes agradecemos de coração.

“Seja a mudança que vc quer ver no mundo”.

#correntedobem

Gata Preta