Recomeço

Aí, quando vc pensa que o mundo ainda tem jeito, recebe um pedido de ajuda para uma gatinha idosa, que foi abandonada para EUTANÁSIA, só porque o dono descobriu que ela tem o vírus da FIV (AIDS felina).

Nem vou entrar no mérito do vínculo afetivo, de que animais não podem ser descartados como objetos quebrados, que essa postura é cruel, egoísta e, acima de tudo, desnecessária. Isso tudo estamos cansados de saber.

O que me pegou dessa vez foi justamente a falta de apego.  Como alguém pode conviver com um bichinho por anos a fio e simplesmente condená-lo à morte, sem compaixão, sem piedade, sem despedida, nem nenhum remorso?

Aqui aconteceu exatamente o oposto, lutamos com a Jo até o último segundo, agradecendo cada dia a mais que ganhávamos com o nosso milagrinho. Não consigo entender o contrário. Quem ESCOLHE matar seu bichinho, ao invés de ajudá-lo?

A conclusão da história é bem evidente para aqueles que me conhecem: Farofa está vindo para cá, salva, protegida, mas assustada, sem entender nada do que está acontecendo.

Ainda não sei se será parte da família ou se ficará apenas de passagem, enquanto espera uma nova chance.

O que eu sei é que – apesar de não ser o melhor momento e de já sermos muitos – existe um limite do que o meu coração vagabundo consegue aguentar. E a morte de um animal saudável, por puro preconceito e abandono, certamente o ultrapassa.

Não pude salvar a Jo, mas essa eu posso tentar. Sei que é pouco perto de tantas tragédias que vemos por aí, porém é o que posso fazer hoje para deixar o mundo um pouquinho melhor para as minhas filhas.

“Sou um só, mas ainda assim sou um. Não posso fazer tudo, mas posso fazer alguma coisa. E, por não poder fazer tudo, não recusarei a fazer o pouco que posso” (Edward Everett Hale).

#farofa-fa

#correntedobem

UPDATE: Farofa-fa chegou ontem, linda (linda mesmo!) e loira, porém muito assustada. Está escondida atrás do sofá desde então. Não comeu, não usou a caixinha, não bebeu água, não se mexe. Se alguém tenta se aproximar, ela começa a tremer de medo (literalmente). Desejar a morte lenta e dolorosa para a maldita que a abandonou é muito feio?

9 pensamentos sobre “Recomeço

  1. Paula, você é alguém que contagia as pessoas com sua bondade. Lele, puff e cotó mandam lambidinhas 🙂
    Certeza que suas filhas crescerão com seu lindo senso de justiça e grande coração que você tem!!! Fora a oportunidade de viver rodeada de criaturinhas especiais (meu sonho de infancia). E que esse dono não invente de arrumar outro bichinho pra que possa abandonar novamente depois!

    • Puxa, obrigada! :o) Tomara que eu consiga mostrar o lado bom da vida para a Farofa. Ela anda tristinha de dar pena, não come, não faz nada. Muito triste acompanhar essa rejeição. Mas o final da história vai ser feliz, pensamento positivo! Saudades dos seus meninos! Beijo enorme em vc e lambidinhas neles!

  2. Pingback: Pequenos progressos | PAULAtinamente

  3. Pingback: Quem disse que amor não se ensina? | PAULAtinamente

  4. Pingback: O outro lado do abandono | PAULAtinamente

  5. Pingback: Farofa-fa | PAULAtinamente

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s